domingo, agosto 1, 2021
HomeNotíciasPlanos do Partido Comunista Chinês de construir barragem em rio no Tibete...

Planos do Partido Comunista Chinês de construir barragem em rio no Tibete ameaçam abastecimento de água na Índia e Bangladesh — Conexão Política

Os planos do Partido Comunista Chinês (PCC) de começar a construção de uma nova barragem e um projeto hidrelétrico no rio Yarlung Tsangpo, que se torna o rio Brahmaputra na Índia e Bangladesh, geraram preocupações sobre o impacto ambiental, social e escassez de água entre os países a jusante, especialistas disseram à RFA.

O presidente da estatal Power Construction Corp., Yan Zhiyong, disse que o plano de criar até 60 gigawatts (GW) de capacidade hidrelétrica era uma “oportunidade histórica” ​​para impulsionar o plano de energia limpa da China, bem como a segurança do abastecimento de água do país, de acordo com o Energy News, ligado ao jornal do PCC, o Diário do Povo.

O Partido Comunista Chinês listou o “desenvolvimento de recursos hidrelétricos no rio Yarlung Tsangpo” em seu Plano Quinquenal de 2021-2025. O novo projeto apresenta três vezes a capacidade da controversa Barragem das Três Gargantas.

Ativistas de direitos tibetanos disseram que tais projetos causam estragos no meio ambiente e têm um forte impacto no abastecimento de água rio abaixo.

“Os cientistas alertaram que a construção constante de barragens hidrelétricas levará a terremotos, deslizamentos de terra e também submergirá terras e florestas sob a água, o que colocará em perigo a vida selvagem”, disse Zamlha Tenpa Gyaltsen, analista ambiental do Instituto de Política do Tibete, com sede em Dharamsala, em um entrevista recente à RFA.

“Também pode levar a inundações na área ou à escassez de água. O resultado final é que causará uma enorme destruição ambiental”, disse Zamlha Tenpa Gyaltsen, acrescentando que “terá um impacto grave em Arunachal Pradesh e Assam, na Índia, por onde o rio flui”.

O diretor do programa do Sudeste Asiático no Stimson Center, Brian Eyler, disse que os detalhes das especificações e localização da barragem ainda não estão claros.

“[Este] anúncio já atraiu críticas de países a jusante, particularmente da Índia”, disse Eyler. “As barragens a montante do Brahmaputra impactam os ciclos hidrológicos sazonais a jusante que possuem um significado cultural importante e impactam as atividades econômicas locais e nacionais.”

“Esta nova barragem foi anunciada com mínima consulta prévia aos países a jusante, nada de novo no tratamento da China aos vizinhos a jusante”, disse o especialista em assuntos da Bacia do Mekong. O Mekong é o 10.° mais volumoso (descarrega 475 km³ de água anualmente) rio do mundo, que nasce no Planalto do Tibete e depois percorre a província chinesa de Iunã, além de Mianmar, Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã.

imagem07-12-2020-10-12-13

Área no Tibete onde a China planeja construir a nova barragem e o projeto hidrelétrico no rio Yarlung Tsangpo, que se torna o rio Brahmaputra na Índia e Bangladesh.

Impacto rio abaixo sem precedentes

Eyler disse que o projeto Yarlung Tsangpo era apenas uma parte de um grande programa de construção de barragens no curso superior dos rios Brahmaputra, Mekong, Yangtze e Amarelo que teria um impacto sem precedentes em todos a jusante.

Yan Zhiyong teria dito que a construção de hidrelétricas ajudaria a “desenvolver” o Tibete, enquanto a construção de redes de energia e estradas tornaria mais fácil a cooperação transfronteiriça com os países do sul da Ásia.

Mas grupos anti-hidrelétricos dizem que os rios da China já estão em ponto de saturação depois de um boom de construção de barragens que incluiu a construção do Projeto das Três Gargantas e muitas outras usinas hidrelétricas gigantes no Yangtze e seus afluentes.

Zamlha Tenpa Gyaltsen disse que poderia haver um motivo mais político por trás do projeto também.

“Acredito que por trás desses projetos de estradas e hidrelétricas, a principal intenção do governo chinês é reassentar o povo chinês em áreas tibetanas”, disse Zamlha Tenpa Gyaltsen.

Um estudo financiado pelo governo dos EUA, publicado no início deste ano, mostrou que uma série de novas barragens construídas pela China no rio Mekong agravou a seca nos países a jusante, embora o Partido Comunista Chinês contestasse as revelações, dizendo que poderia adicionar mais 350 gigawatts de energia hidrelétrica.

A barragem já levantou novas preocupações na Índia.

Jagannath Panda, pesquisador do Instituto Manohar Parrikar para Estudos e Análises de Defesa, em Nova Delhi, disse que os parlamentares indianos dizem que não há informações suficientes sendo compartilhadas sobre as ações da China a montante.

“Acho que é uma preocupação genuína para a Índia por muito tempo”, disse Panda. “O ideal é que a Índia espere que a China, antes de fazer qualquer tipo de construção na barragem, consulte e deva consultar a Índia.”

Eyler disse que as informações não devem ser compartilhadas seletivamente e devem ser transparentes.

“Essas informações e dados são cruciais para o progresso da agricultura para o progresso da vida das pessoas”, disse ele.

Enquanto isso, Farwa Aamer, diretora do think tank EastWest Institute (EWI) para o Sul da Ásia, disse que a confiança entre os países do sul da Ásia e Pequim está atualmente em um ponto baixo.

“Muitas coisas não funcionam porque há desconfiança”, disse Aamer. “Portanto, qualquer coisa que um país faça em oculto, o outro país provavelmente vai se sentir ameaçado.”

“A preocupação [dos países do sul da Ásia] sempre existiu”, disse Aamer. “[A China] usando o rio como uma ferramenta estratégica é uma coisa, mas poderia eventualmente ser transformada em arma.”

As experiências dos países a jusante através dos quais o Mekong passa é um caso em questão, argumenta Eyler.

“O fornecimento de dados [sobre a bacia do Mekong] ainda é um fio de informação em comparação com o que é necessário para melhorar os resultados a jusante”, disse Eyler. “A China geralmente não notifica os países sobre o desenvolvimento de novas barragens no Mekong: um caso em questão é a barragem de Tuoba, no alto Mekong, na província de Yunnan, que começou a ser construída no início deste ano sem notificação.”

11 represas do Mekong

Os países da região do Mekong enfrentam condições de seca severa, agravadas pelas decisões de operação unilateral das barragens chinesas a montante. A China construiu 11 barragens ao longo do rio Mekong a montante de mais de 60 milhões de pessoas na região do Baixo Mekong, que dependem do rio para sua alimentação e sustento.

Eyler disse que as 11 represas do Mekong na China tiveram um forte impacto nos ciclos hidrológicos a jusante, restringindo o fluxo de água em épocas de seca.

“O discurso oficial da China sobre essas ações é que as restrições às barragens a montante evitam enchentes a jusante e reduzem a seca ao liberar água quando necessário”, disse Eyler. “Mas não há absolutamente nenhuma evidência de que as regulamentações, em direção oposta ao fluxo do rio, da China reduzem as enchentes e melhoram as condições de seca.”

Análises recentes de dados de satélite e registros de altura do rio da Comissão do Rio Mekong (MRC) confirmam que as barragens da RPC estão manipulando dramaticamente os fluxos naturais do Mekong. Há evidências de que as operações unilaterais da barragem da RPC pioraram as condições de seca já recordes e causaram enchentes fora de época sem notificar os vizinhos a jusante.

Ao longo do rio Brahmaputra, há mais motivos para preocupação.

Um estudo recente, publicado pela revista científica Nature Communications, descobriu que inundações destrutivas provavelmente acontecerão ao longo do rio com ainda mais frequência do que se pensava, devido a um erro de cálculo da linha de base nos últimos anos.

Números das Nações Unidas mostram que cerca de 30 milhões de pessoas em Bangladesh foram expostas ou moraram perto de áreas inundadas durante julho de 2020.

A China controla as águas a montante de 7 rios enormes: Indus, Ganges, Brahmaputra, Irrawaddy, Salween, Yangtze e Mekong, que deságuam no Paquistão, Índia, Bangladesh, Myanmar, Laos e Vietnã.

De acordo com o Lowy Institute, cerca de 718 bilhões de metros cúbicos de água de superfície fluem do planalto tibetano e das regiões administradas pela China de Xinjiang e da Mongólia Interior para os países vizinhos anualmente, com 48% dessa água fluindo para a Índia.

Fonte: conexaopolitica.com.br/mundo/china/planos-do-partido-comunista-chines-de-construir-barragem-em-rio-no-tibete-ameacam-abastecimento-de-agua-na-india-e-bangladesh/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=planos-do-partido-comunista-chines-de-construir-barragem-em-rio-no-tibete-ameacam-abastecimento-de-agua-na-india-e-bangladesh

RELATED ARTICLES
- Advertisment -
Google search engine

Most Popular