quinta-feira, setembro 23, 2021
HomeNotíciasProfessor de economia é proibido de dar curso de críticas ao marxismo...

Professor de economia é proibido de dar curso de críticas ao marxismo para corpo discente – Conexão Política

Um professor de economia de longa data da Wright State University (WSU), em Ohio, nos EUA, que repetidamente solicitou permissão para dar um curso de críticas ao marxismo, foi rejeitado por seus chefes e colegas que parecem não estar dispostos a permitir que o tópico seja ensinado ao corpo estudantil, informou o Daily Mail.

Enquanto isso, a universidade frequentemente oferece cursos que elogiam o marxismo, disse o professor de Economia, Evan Osborne, ao The College Fix.

Osborne disse que a “versão resumida” de sua situação “é que temos um grupo de esquerda radical furioso no departamento; eles elogiam o marxismo em sala de aula, não me deixam ensinar criticamente sobre ele, e muitos na universidade se recusam a tomar uma atitude sobre isso.”

Embora Osborne recentemente tenha recebido permissão para dar aulas neste ano para alunos de honra, ele não tem permissão para abrir o curso para todo o corpo discente, disse ele. Somente alunos honorários podem se inscrever em cursos especiais.

Osborne já lecionou seu curso uma vez, como um curso honorário no outono americano de 2014. Novamente, apenas alunos honorários foram autorizados a se inscrever.

Depois que o curso foi bem sucedido, Osborne disse que propôs à universidade que ele entrasse na grade curricular de Economia ou que fosse inserido como um curso de tópicos especiais que qualquer estudante de administração e economia pudesse se inscrever. Após todos esses anos, sua batalha para abrir o curso para todos os alunos continua.

“O fato de meu departamento estar cheio de extremistas que provavelmente não pertencem a um departamento de Economia e Administração de uma faculdade, com certeza, é uma manifestação de liberdade acadêmica”, disse Osborne ao The College Fix por e-mail. “Não quero mudar a forma como a economia é ensinada na WSU, falando de maneira geral. Eu só quero que seja respeitada a minha liberdade acadêmica para oferecer uma visão diferente.”

Funcionários do departamento de Economia e de assuntos de imprensa do da WSU não responderam aos pedidos de comentários do The College Fix.

Osborne leciona na Wright State desde 1994. Ele ganhou uma bolsa de ensino e vários prêmios durante sua longa gestão.

O curso do economista é intitulado “Marxismo: Uma História da Teoria e da Prática”.

Seu currículo, desde quando ele o estreou como um ‘curso de honra’ em 2014, afirma que o curso é “tanto uma introdução ao pensamento econômico marxista quanto à história do poder político exercido em nome desse pensamento.”

Não apenas atribui obras escritas por Karl Marx, mas também analisei as ramificações do sistema político comunista em lugares como a Rússia e a China, bem como de que modo alguns acadêmicos ocidentais romantizaram sua história sangrenta e brutal. Termina com um breve, mas positivo olhar sobre o capitalismo.

Apesar da recusa em abrir o curso de Osborne para o corpo discente, o departamento de Economia atualmente permite que os alunos façam um curso, a cada primavera [americana], chamado ‘Socialist and Radical Economics’ [Economia Socialista e Radical], “para aprender a rica história das análises críticas da forma dominante de capitalismo e para se engajar em um debate crítico sobre a perspectiva de reforma socioeconômica”, de acordo com o programa da universidade WSU.

Embora a Wright State ofereça cursos padrão de economia encontrados em universidades de todo o país, a universidade também exige que os graduados em Economia façam um curso de “Economia Institucional”.

“Este curso é consistentemente cético em relação ao mercado livre e ao capitalismo”, disse Osborne ao The College Fix. “Dada a maneira como Marx é avaliado favoravelmente em nosso currículo e o registro histórico real do marxismo, realmente pensei que nossos alunos mereciam uma perspectiva alternativa.”

Mas a batalha de anos para dar aos alunos, fora do programa de honras, uma perspectiva alternativa foi recebida com objeções dos colegas, disse Osborne.

Quando o Comitê de Grade Curricular do departamento de Economia considerou o curso pela primeira vez, em dezembro de 2015, seus colegas enviaram queixas anônimas ao chefe do departamento na época que equivaliam à afirmação de que ele estava “ensinando marxismo incorretamente”.

De acordo com o que Osborne chamou de “dissidentes/censores”, havia certos pontos de vista que seus colegas não-identificados disseram que ele precisava incluir em seu currículo, apesar do fato de que “esses pontos de vista já estão incluídos em nosso currículo em outros cursos”.

“No meu tempo de trabalho na Wright State, esse tipo de crítica anônima e secreta não aconteceu a ninguém além de mim”, disse ele ao The College Fix.

Além do mais, durante os muitos anos do Professor Osborne no departamento de Economia da WSU, nem uma única matéria proposta para a grade curricular por qualquer outro corpo docente foi rejeitada, disse ele.

A certa altura, durante uma reunião do comitê do departamento, considerando a aula proposta, um professor disse a Osborne para incluir em suas leituras sobre o comunismo chinês a análise de um obscuro comunista chinês do início do século 20.

“Por que isso é bizarro? Falo o Mandarim e leio e escrevo fluentemente o idioma. Na verdade, publiquei um artigo de jornal no idioma. Atualmente, estou escrevendo um livro sobre a história intelectual chinesa do século 20, incluindo o desenvolvimento do pensamento comunista ali. Em outras palavras, tenho muito muito mais conhecimento sobre a história intelectual chinesa do que este professor opositor, ou qualquer outro professor de nosso departamento”, disse Osborne.

“Mas, aparentemente, como um professor titular que ministrou uma ampla variedade de cursos com competência razoável e que está muito familiarizado com os desenvolvimentos intelectuais do século 20 na China, de alguma forma não fui capaz de decidir como ministrar este curso, mesmo a seção sobre a China.”

Osborne disse que a única crítica legítima ao curso proposto que recebeu foi que não era um curso muito prático.

“No entanto, essa objeção nunca é levantada contra nossos cursos radicais existentes, igualmente impraticáveis, provavelmente porque o corpo docente do complexo de perseguição que os ensina explodiria”, disse Osborne ao The College Fix.

“Se priorizássemos a praticidade, todos os cursos radicais estariam perdidos. De qualquer forma, o comitê votou pela rejeição do curso, novamente algo que nunca aconteceu comigo, nem com ninguém que propôs um curso de economia durante meu tempo na Wright State. ”

Após esta derrota, ele foi presidente de departamento interino em 2016-17 e, saiu de licença sabática em 2018-19. Durante esse tempo, ele disse que sua frustração com a violação de sua liberdade acadêmica cresceu.

Outra fonte dessa frustração foi que, em um incidente separado, Osborne disse que foi explicitamente informado que não poderia tomar parte nas decisões internas e externas da faculdade de Economia porque ele é um “homem branco”. Ele disse que isso foi uma citação direta de colegas.

Em outro incidente em 2019, sua tentativa de fazer os membros do comitê do corpo docente apoiarem uma medida para proteger os acadêmicos da interferência de outros professores em sua liberdade acadêmica falhou.

“Lembro-me de que alguns do comitê pareciam perplexos com o fato de alguém dizer que às vezes os professores precisam de sua liberdade acadêmica protegida não apenas contra pessoas que não eram administradores da universidade nem inteiramente de fora da universidade, mas também de outros professores”, disse Osborne.

No final, a proposta foi enviada a uma comissão dos membros do corpo docente, que produziu (sem anotações da reunião) uma resolução com uma medida pró-liberdade de expressão que excluía a emenda proposta por Osborne, que o comitê então aprovou.

Quando Osborne voltou a lecionar em tempo integral após seu ano sabático em 2019, a então presidente do departamento de Economia, Zdravka Todorova, perguntou o que ele queria ensinar.

Para os semestres de primavera, verão e outono de 2020, ele propôs seu curso de marxismo como um curso único de tópicos aberto a todos os alunos de administração e economia, mas ela ignorou seus pedidos, e programou Osborne para dar outras aulas, dizendo a ele que uma vez que o departamento já havia oferecido naquele semestre um curso elogiando a economia radical, então não haveria espaço para mais um, segundo cópias dos e-mails obtidos pelo The College Fix.

“Assim, já passamos pelo mesmo ciclo várias vezes. Ela propõe um cronograma, peço que marque o marxismo como um curso de tópicos, ela não o faz, mas se recusa a dizer se tem uma política de não agendá-lo”, disse Osborne. “Isso provavelmente parece uma coisa pequena, mas em um departamento onde os professores se orgulham do fato de serem livres para ministrar cursos que criticam o capitalismo e elogiam o marxismo em particular, esta tem sido uma experiência muito frustrante”.

Todorova, desde então, deixou o cargo de presidente do departamento de Economia. O curso de Osborne foi aprovado para ser ministrado neste outono americano pela diretora do programa de honras, Susan Carrafiello.

Olhando além dessa experiência, Osborne disse: “As instituições de ensino superior estão agora quase todas em crise. A indulgência da censura esquerdista sem remorso, na WSU como em qualquer outro lugar, é impossível de ser justificada”.

“Se os professores querem pregar que o marxismo é um triunfo do pensamento humano, que seja. Se outro corpo docente quiser argumentar que na verdade foi um desastre e um crime contra a humanidade, essa visão não deve mais ser fanaticamente censurada”, argumentou Osborne.

Fonte: conexaopolitica.com.br/ultimas/professor-de-economia-e-proibido-de-dar-curso-de-criticas-ao-marxismo-para-corpo-discente/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=professor-de-economia-e-proibido-de-dar-curso-de-criticas-ao-marxismo-para-corpo-discente

RELATED ARTICLES
- Advertisment -
Google search engine

Most Popular